quarta-feira, 20 de março de 2013

O MEC e os seus métodos avaliativos questionáveis



Fala, seres celomados!!! E aí, tudo bem?!

Pois bem, meus caros leitores, hoje vamos falar um pouco sobre educação que é um tema bem complicado de ser abordado e tem várias vertentes e para começar a falar sobre esse assunto que tal falar um pouco sobre o Ministério da Educação (MEC)?

Então, em uma linguagem bem metafórica podemos analisar o MEC como se fosse um rio o qual é alimentado por inúmeras vertentes, dentre as quais estão as famílias, as comunidades, as escolas, as universidades, a internet etc. Todas essas vertentes citadas tem um grande papel na formação social, cultural, política e intelectual de um indivíduo sendo esse um papel bom ou não.

E quem comanda a maioria dessas vertentes? O MEC, claro. O Ministério da Educação é quem organiza os modelos educacionais, a legislação educacional, os métodos avaliativos, a formação dos professores etc. Sendo o MEC o rio ele desagua no mar e esse mar é a EDUCAÇÃO e assim como todos nós queremos um rio com águas limpas para podermos usufruir dele e um mar também limpo para podermos tomar banho e não afetar a vida marinha também queremos uma educação de qualidade, não é mesmo?

Como todos sabemos o Brasil é dos países que cresce mais economicamente hoje em dia e temos o 6º maior PIB do Mundo. E como é que com tanta riqueza ainda somos o país em lugar 88º do ranking de eduacação da UNESCO? Esse questionamento foi abordado em um dos meus posts anteriores. Se vocês ainda não viram eu vos aconselho a clicarem aqui e lê-lo. Valendo salientar que esse relatório da Unesco foi de 2008.

Visto isso, meus queridos leitores, vamos analisar um pouco esses métodos avaliativos propostos pelo MEC, mais precisamente o ENEM, e será mesmo que essas formas as quais o MEC utiliza são as melhores? Bem, isso é bastante questionável!

Pegando a prova do ENEM realizada em 2012 podemos ver que há uma grande vantagem para os estudantes do centro-sul do país (Centro-Oeste, Sudeste e Sul), visto que poucos são os temas, por exemplo, ligados a geografia e história nas regiões Norte e Nordeste. Para vocês terem uma noção o ano de 2012 o Brasil comemorava o centenário de Luiz Gonzaga, o rei do baião, e apenas caiu uma única questão sobre ele na prova de "ciências humanas e suas tecnologias". Uma ÚNICA questão dentre as 45 no total, em porcentagem seria 2,22% o que é muito pouco e ainda sem levar em conta que para responder a questão não precisava nem saber quem foi Luiz Gonzaga, bastava apenas interpretar o trecho da música "A vida de viajante", composta pelo próprio Luiz Gonzaga.

Sem contar a falta de segurança e da fiscalização das provas do ENEM. Como exemplo podemos citar o vazamento de 14 questões do Exame Nacional do Ensino Médio de 2011, pois o MEC realiza testes para ver a dificuldade das questões. 

O MEC tem um banco de dados com muitas questões e pega algumas delas e realizam esse teste em algumas escolas do país para saber o nível de dificuldade de cada questão. Para quem não sabe essa situação gerou um grande problema. Foi pensado em anular toda a prova do ENEM e depois pensaram em anular só essas 14 questões...enfim, foi um grande problema.

Um outro problema é a Teoria da Resposta ao Ítem (TRI) que está ligada a esses testes citados no parágrafo acima. Na TRI o foco principal é na questão em si e não no total de acertos. É tanto que duas pessoas podem ter acertado o mesmo número de questões em cada área de conhecimento e terem notas diferentes. Vejam só, é mais ou menos assim: você acerta uma questão difícil e erra uma fácil, então o sistema vai computar que você acertou essa questão difícil no chamado "chute" (Sorte) e se uma pessoa acertar uma questão fácil e errar uma difícil terá mais pontos do que a outra que acertou a difícil e errou a fácil. Bem, para mim isso é bem controverso, não é mesmo? O que pode ser fácil para um pode não ser para o outro.

Aaaah, e eu já ia me esquecendo... a Redação, a RE-DA-ÇÃO... e seus INÚMEROS problemas. Não é a toa que todo ano os estudantes reclamam cada vez mais da correção da redação e chegam até a brincar dizendo que a nota da redação acontece por sorteio e que os corretores nem chegam a corrigir a nota da redação de fato. Pois bem, pessoal, eu não sei se eles corrigem ou não, mas espera-se que eles corrijam, né?

Um exemplo bem prático disso e que inclusive foi mostrado e comentado ontem (19/03/2012) nos jornais, telejornais, redes sociais, etc é a redação de um estudante que no penúltimo parágrafo da sua redação ensina como preparar um miojo. É isso mesmo que vocês estão lendo! Numa redação onde o tema era "O MOVIMENTO IMIGRATÓRIO PARA O BRASIL NO SÉCULO XXI" ele vem falar do miojo e ainda ganha 560 pontos na redação! Deem uma olhada:



Meu Deus!!! Eu fiquei indignado ao saber disso. Se eu soubesse tinha descrito como preparar um brigadeiro aí vai que eles preferem brigadeiro a miojo e davam mais pontos para mim, né? Brincadeiras a parte, eu fiz a prova do ENEM - 2012 e tirei APENAS 640 pontos na redação, tudo bem que minha redação não foi lá tão boa, e inclusive eu mesmo achei muito ruim, mas ficou muito melhor se comparada a essa do miojo.

Olha, para vocês terem noção o candidato recebeu 120 pontos no total de 200 na competência 2 da correção, na qual são avaliadas a compreensão da proposta da redação e a aplicação de conhecimentos para o desenvolvimento do tema dentre os limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo e eu ganhei esses mesmos 120 pontos.

Pois é... é complicado!!!

E eu não duvido nada desse candidato ter colocado em sua redação esse "parágrafo gastronômico" propositadamente só para ver quanto seria a nota dele e para ver se é mesmo "sorteio" ou não e quanto a isso eu prefiro não comentar nada.

E estou esperando ANSIOSAMENTE para saber qual será o próximo caso como esse que terá em redações do ENEM. Bem que poderiam ensinar aos corretores a fazerem um brownie, o que acham? Ou quem sabe um mousse de maracujá. Não, melhor ainda, poderiam ensinar aos corretores como corrigir uma redação corretamente! :)

Pois é, galera, sejam corretores das redações do ENEM e aprendam a fazer receitas deliciosas, dentre elas um miojo! Hmm... Que delícia!

Enfim, voltando para o lado sério da coisa são MUITAS falhas e dentre todas essas será mesmo que o ENEM é o melhor modelo avaliativo para dizer se um candidato será apto a ingressar em uma universidade ou não? Bem, na minha mera opinião NÃO! Eu não concordo com o fato de agora todas as universidades estarem aderindo o ENEM gradativamente. E não acho que o ENEM avalie a capacidade total de um aluno e para ter provas disso basta olhar os cadernos de questões. 

Levando em conta que o ENEM tem uma ideia legal, mas na prática em si não tanto, pois não dá para ser aplicado em um país tão grande como o Brasil eu ainda acho que o vestibular ainda é a melhor forma para levar um estudante para universidade e não o ENEM. Mas essa decisão que deve ser tomada não é minha e sim do MEC, não é mesmo? Fazer o quê?! 

O post de hoje foi esse, meus queridos leitores, eu espero que tenham gostado e que postem nos comentários a suas opiniões. Vou ficando por aqui e deixarei uma última imagem para vocês verem e refletirem.



até mais, deuterostômios,

MAY THE FORCE BE WITH YOU!

4 comentários:

  1. Dudu, sério. Acho que já é bem a quarta ou a quinta vez que falo isso, mas esse é um dos seus melhores posts. Gosto muito porque você consegue falar de assuntos engraçados e ainda assim aborda os temas mais sérios colocando um pouco de comicidade à nossa leitura. Isso é muito bom e não desmerece em NADA o texto :D

    Sobre o MEC e o ENEM... Eu te falei que acho super errado o Brasil inteiro ser indiretamente obrigado a aceitar essa prova. Não chamo isso de vestibular porque a princípio até que a ideia é MUITO boa! Mas em um país como o Brasil com tanta gente corrupta como tem por aqui, é praticamente impossível conseguir êxito em algo tão importante como um vestibular nacional.

    Enfim, embora NÓS devamos estar satisfeitos com a educação brasileira, não somos NÓS quem escolhemos os métodos que serão adotados. Também acho isso bastante errado... Porém, vamos esperar e ver no que isso vai dar.

    Novamente, ÓTIMO post, amor! Parabéns mesmo.
    Bjs bjs <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aaah, amor, obrigado! Fico muito feliz que goste bastante dos meus posts, que gosta da forma a qual escrevo e que sempre expõe seus comentários aqui no blog. Isso é muito legal!

      Pois é, eu concordo contigo sim. Na minha visão é realmente errado todas as universidades públicas estarem aderindo o ENEM.

      É verdade, nos resta esperar e eu espero muito que o ENEM seja mais justo e que não tenha muitos problemas.

      Obrigado pelo comentário, minha fofa. Te amo muito.
      Bjs bjs

      Excluir
  2. Muito interessante a matéria sobre a avaliação das redações do Exame Nacional do Ensino Médio.

    "O Enem – Exame Nacional do Ensino Médio – é um exame oferecido anualmente aos estudantes que estão concluindo ou que já concluíram o ensino médio.

    Criado em 1998, o Enem tem como objetivo principal possibilitar que o estudante tenha uma referência para autoavaliação, a partir das competências e habilidades que embasam a filosofia do Exame" (IN: http://ensinomediodigital.fgv.br/enem.aspx)

    Nós, educadores, principalmete, precisamos refletir sobre o sistema avaliativo na educação brasileira. Como avaliamos nossos alunos? As condições de acesso às informações são as mesmas? As estruturas: pedagógica, administrativa e financeira das escolas onde estudaram possibilitam um ensino de qualidade? Há uma preocupação com os conhecimentos locais, como Pablo fala em sua matéria? Que conteúdos são exigidos? Pois bem, são muitas perguntas e poucas respostas. Há uma necessidades de pesquisas sobre essa temática.

    Parabéns pelo post publicado. Você escreve bem. Não precisa dizer, mas vou fazê-lo: nunca esqueça de citar a referência da informação. Sei que sabe disso. Um abraço de quem te ama muito.


    ResponderExcluir
  3. Pablo, veja esse link...http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=86316

    ResponderExcluir